Grécia – Contagem Regressiva Étnica

O tour pela Europa está adorável, espero que o champanhe tenha sido agradável. Agora nos despedimos da Torre Eiffel e subiremos o Monte Olimpo, para conhecer o berço da democracia, filosofia, jogos olímpicos e ciências políticas. Sabiam que o nome oficial é República Helênica? “Grego” era a maneira que os romanos chamavam os Helenos, termo que popularizou a Grécia como a terra de Gregos.

A Grécia tem registros muito antigos de ancestrais humanos (270.000 a.C.) em cavernas e assentamentos de povos.

O seu território fica na rota pela qual a agricultura se espalhou na Europa. Suas primeiras civilizações datam por volta de 3.000 a.C e, conforme os registros, já possuíam até um alfabeto conhecido como Linear A e Linear B, considerados a forma mais primitiva do Grego que vemos hoje. Entre 1.300 a.C. e 1.200 a.C. possivelmente ocorreu a Guerra de Tróia, esta, porém, sem Brad Pitt e Eric Bana, mas com Aquiles e Heitor.

Segundo a lenda, a guerra se originou por uma disputa entre Deusas do panteão grego Atena, Afrodite e Hera por um presente da Deusa da Discórdia, Éris. O fim destas civilizações se deu em 1.200 a.C. com o início da Idade das Trevas Grega, do qual não se tem registro, pois os alfabetos Linear A e B não foram decifrados, sendo assim, ficou uma lacuna na história até os primeiros Jogos Olímpicos (776 a.C.), mesmo período que acredita-se que a Ilíada e a Odisseia, foram escritos por Homero.

Após o fim da Idade das Trevas Gregas temos o início da Grécia Clássica, onde as colônias gregas se expandiram basicamente pela costa do Mar Mediterraneo. Foram tempos de prosperidade Grega, o que incentivou a expansão cultural de todas as suas colônias. Esta expansão gerou o primeiro sistema de governo Democrático da história em 508 a.C, que foi fragilizado pelas invasões persas a partir de 500 a.C, em 480 a.C. segundo a lenda ocorre a Batalha de Termópilas, com os 300 de Esparta e o Rei Leônidas, um marco histórico e uma aula de estratégia militar, com a clássica chuva de flechas do exército persa e Dienekes, grande combatente espartano respondendo “Ótimo! Combateremos à sombra”. Falando de Esparta, algumas curiosidades: As mulheres Espartanas eram praticamente intocáveis, não viviam em um matriarcado, mas, a mulher era muito respeitada na época, pois, sem mulher sem homens; e alguns relatos indicam que os espartanos eram tão confiantes em suas habilidades que suas cidades não tinham muralhas, pois ninguém teria coragem de invadir.

A vitória Grega sobre os persas ao final da guerra levou ao que se chama Idade de Ouro de Atenas, levou a 50 anos de paz. O fim do período de paz se deu pela falta de unidade política na Grécia, deu início as Guerras Intra-Gregas, com fim formando a Liga Helênica no comando de Filipe II, que após ser assassinado deu lugar a Alexandre, o Grande, que formou um dos maiores Impérios da história.

Após a morte de Alexandre, a República Romana anexou os territórios gregos, mas, a cultura grega ganhou espaço em meio aos romanos, que levou a frase Horácio, filósofo romano, Graecia capta ferum victorem cepit “A Grécia, embora capturada, levou seu conquistador selvagem em cativeiro”. A cultura grega foi muito aceita pelos romanos, a literatura grega inspirou clássicos romanos como Eneida de Virgilio e o autor Sêneca, o panteão de deuses, entre tantas outras áreas, os romanos consideravam a cultura grega, uma cultura a ser seguida.

A expansão da cultura grega foi essencial para a popularização do cristianismo, sendo que os primeiros líderes e escrituras cristãs utilizavam a língua grega.

A queda do Império Romano levou a Grécia a diversas batalhas, divisões e conquistas do século IV até o XV como as invasões bárbaras, invasões eslavas, estar sob controle da Santa Sé, As Cruzadas, Principado de Acaia, Despotado do Épiro, Reino da França, Império Bizantino, República de Veneza, República de Gênova e chegar ao controle Otomanoque foi considerada a Idade das Trevas, pois, os Otomanos afastaram a população gregas de quaisquer avanços culturais da época, o cenário mudou com as ideias da Revolução Francesa. Então surge o primeiro revolucionário grego Rigas Feraios, que idealizou o estado Grego independente e foi assassinado por otomanos.

Chegamos ao momento da independência Grega onde uma aliança com a França, Império Russo e Reino Unido, ajudou a expulsar os otomanos de seu território. Alguns anos após a independência grega, quando o Brasil ainda era um império D. Pedro II, com o projeto de colonização convida famílias gregas para virem ao país.

Esta rica história deixou marcas não apenas na Capital Nacional das etnias e no Brasil, os gregos fixaram na cultura mundial os jogos esportivos, democracia e o teatro, e até muitos conceitos de beleza. A cultura grega está presente em todos os conceitos em que foram pioneiros e que nós herdamos e ainda manifestamos nas histórias de um povo sábio e guerreiro.

Referências:

https://pt.countryeconomy.com/paises/grecia

https://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia/batalha-de-termopilas-a-verdadeira-historia-dos-300-de-esparta.htm

https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/historia/a-batalha-termopilas-1.htm#:~:text=Batalha%20de%20Term%C3%B3pilas-,Hist%C3%B3ria,desfiladeiro%20de%20Term%C3%B3pilas%2C%20na%20Gr%C3%A9cia.

https://www.historiadomundo.com.br/grega#:~:text=A%20forma%C3%A7%C3%A3o%20do%20povo%20grego%20deu%2Dse%20pela%20mistura%20da,%2C%20aqueus%2C%20e%C3%B3lios%20e%20d%C3%B3rios.

Siga o Instagram da EXPOFEST e fique por dentro dos BASTIDORES do maior evento multiétnico do país!

Siga o Instagram da EXPOFEST e fique por dentro dos BASTIDORES do maior evento multiétnico do país!

POSTS RELACIONADOS