Moçambique – Contagem Regressiva Étnica

Continuando nosso tour pelo continente Africano, saímos dos Congos e vamos para o segundo país com mais falantes de portugues do mundo, Moçambique. Vamos para algumas curiosidades sobre este país antes de conhecer sua história, aqui estamos falando de um dos países mais pobres do mundo e todos podemos ajudar o país, sabia que 45% do orçamento do país vem de doações? O Brasil está entre os principais investidores. Assim como o Brasil, Moçambique é rico em recursos naturais, sendo o carvão e o gás natural. Moçambique é um dos países que mais cresce proporcionalmente por ano, impulsionado por carvão e gás natural. E para finalizar, Moçambique é conhecido pelo seu lindo litoral, mas eles não têm tanto interesse em praia como nós brasileiros.

Assim como os outros povos africanos que falamos o território moçambiquenho primeiramente foi habitado por bochimanos e posteriormente pelos bantos, a diferença foi a presença de árabes e persas, estes dominavam o comércio. Por curiosidade o nome Moçambique deriva do nome de um árabe que era dono da Ilha de Moçambique. Os árabes faziam comércio com Madagascar e com o Oriente Médio. Os árabes permaneceram no território moçambiquenho até a chegada dos portugueses, em 1530 garimpeiros e comerciantes portugueses já estavam habitando o território de Moçambique em busca de ouro e outros metais preciosos. Os principais assentamentos portugueses eram próximos ao Rio Zambeze.

O governo portugues estabeleceu os Prazos da Coroa, que distribuía a terra entre os portugueses tentando controlar o comércio e busca de ouro no país. Devido a miscigenação entre portugueses e moçambiquenhos este método não deu certo e foi adaptado apenas para luso-africanos, apesar de haver escravidão no país.

Aqui com a escravidão vem as poucas contribuições moçambiquenhas no Brasil, a maioria dos escravos trazidos eram da Angola ou do Congo, os que foram trazidos deixaram sua marca principalmente na culinaria e linguistica. Por se tratar de uma região costeira trouxeram para nós muitos pratos utilizando peixes como a moqueca e o uso do leite de coco, além de palavras como “caramba”, sem eles não teríamos o bordão do Bart Simpson “Ai Caramba”. Também temos danças e comemorações que podem ser vistas mais de perto pelo povo que vive ao norte do país.

Continuando a história… O domínio comercial portugues foi até meados de 1700, quando os árabes retornaram com força e foram capazes de tomar alguns portos portugueses. Assim Portugal diminuiu os investimentos na região, pois estavam mais preocupados com a colonização do Brasil. Este movimento portugues abriu brecha para franceses e britânicos entrarem no território moçambiquenho que ainda pertencia a Portugal. Com a passada de poder de Portugal para empresas que existiam em Moçambique, principalmente as que eram lideradas por britânicos e a escravidão foi abolida legalmente, mas não na pratica, as condições de trabalho oferecidas eram pessimas.

Este momento é crucial para o movimento de independência do país, pois algumas concessões do governo portugues não foram renovadas, junto as condições ruins de trabalho e vendo que as medidas tomadas no país beneficiavam apenas os portgueses que viviam no país o movimento nacionalista começou. Alguns conflitos ocorreram, até 1974 Portugal estava no controle da situação, mas um golpe militar em Portugal que resultou na troca de governo abriu brechas na guerra que ocorria em Moçambique e a Frente de Libertação de Moçambique tomou o poder.

Após a independência do país em 1975 ocorreu um período de guerra civil que durou 10 anos, pois o país foi submetido a um governo unipartidário influenciado por Cuba e a União Soviética. A guerra civil teve fim quando o Presidente Samora Machel morreu com a queda de um avião. O novo governante Joaquim Chissano assumiu o poder e tomou algumas medidas que acalmaram a população, sendo feita uma constituição, eleições multipartidárias e lei de livre mercado.

Este é um resumo da história de um dos países que contribuiu na nossa colonização, mesmo que poucos moçambiquenhos tenham vindo para o Brasil não podemos ignorar sua contribuição. Fica o agradecimento aos países africanos que contribuíram na construção da nossa identidade cultural como um povo alegre e comemorativo, que é uma das características principais dos países africanos.

REFERÊNCIAS:

https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2019/Por-que-o-Brasil-tamb%C3%A9m-%C3%A9-Mo%C3%A7ambique-ontem-e-hoje#:~:text=A%20historiadora%20Juliana%20Magalh%C3%A3es%20identificou,no%20centro%2Dsul%20do%20Brasil.
https://abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/016/ELIZABETE_ROCHA.pdf
https://www.infoescola.com/geografia/mocambique/
https://www.pordentrodaafrica.com/cultura/aprender-sobre-africa-um-pouco-de-mocambique
https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/historia/a-historia-mocambique-nao-existe.html

Siga o Instagram da EXPOFEST e fique por dentro dos BASTIDORES do maior evento multiétnico do país!

Siga o Instagram da EXPOFEST e fique por dentro dos BASTIDORES do maior evento multiétnico do país!

POSTS RELACIONADOS